segunda-feira, 19 de julho de 2010

Rios de Minas Gerais

Rio São Francisco - nasce na Serra da Canastra, no Chapadão da Zagaia. Não há mais vegetação, praticamente uma planície varrida por fortes ventos, quase desértica.Segue serpenteando pelo Sertão afora e, depois de percorrer cerca de 2.660 km, passa pelas várzeas de Sergipe e Alagoas, penetra no Oceano Atlântico, como uma cunha d’água doce no mar salgado, numa demonstração de força, empurrando as águas do mar - duelo de dois gigantes da natureza.
A bacia do São Francisco acalenta seus afluentes, alguns, também fortes, como o Rio das Velhas e o Paracatu, em MG; o Rio Grande e o Correntes, na Bahia; e outros menores, como o Ipanema e o Moxotó, em Alagoas e Pernambuco. Sua grande bacia é duas vezes o tamanho do Maranhão.
Percurso total: 3.161 km. Foz: o Velho Chico corta o Polígono das Secas numa extensão de 1.992 km - de Pirapora até Piranhas. Faixa seca: vai da Barra até a foz, na distância de 980 km, que só fornece água nas cheias poucos dias por ano e causa a grande variação na descarga do rio: cerca de 12.000 m³/s, em janeiro/fevereiro, a 700/800 m³/s, em agosto/setembro, em Itaparica.

Rio Aiuruoca - Fica localizado no município de Itamonte, que por sua vez está próximo ao Parque Nacional de Itatiaia. Este rio foi transformado em área de pesca esportiva, com a soltura de 12.000 alevinos de trutas, já que suas águas têm todas as características para o desenvolvimento desse peixe.

Como chegar: para quem sai de São Paulo ou do Rio de Janeiro, o caminho é a Via Dutra, indo até a cidade de Queluz, e daí em direção a Itamonte. Já para quem tem a Rodovia Fernão dias como referencia, ir até a cidade de Campanha ou Três Corações, daí até Caxambu, Pouso Alto e Itamonte. Chegando na cidade, é aconselhável procurar alguém idôneo, que dê informações fidedignas sobre como pescar na região. Os peixes predominantes no rio são as trutas.

Rio Araguari - atravessa a região do Triângulo Mineiro. A nascente fica na Serra da Canastra. O rio passa próximo a cidades importantes da região como Araxá, Uberlândia e Araguari, antes de desaguar no Rio Paranaíba, na divisa com Goiás. Águas escuras mas limpas, com várias corredeiras de pedra e canyons com potencial para geração de energia elétrica em pelo menos cinco usinas (Nova Ponte, Miranda, Capim Branco I, Capim Branco II, operadas pela CEMIG; além dessas o rio possui a UHE Macacos, no rio Araguari, no município de Perdizes (MG), operada pela ENECEL, do grupo Lafarge.

Rio Arapoim - O Rio Arapoim, o ribeirão do Ouro, e os córregos Macaúbas e Vieira são os principais afluentes, pela margem esquerda, do Rio Verde Grande, rio brasileiro que banha os estados da Bahia e Minas Gerais, nascendo no municipio de Bocaiúva-MG.

Rio Bagagem - Ruidoso e caudaloso rio onde, em 1800, com a notícia da descoberta de diamantes, muitos deles de diversas cores, como rosa, verde e violeta, aventureiros de várias partes do país se aglomeraram ao longo do rio. Suas bagagens eram depositadas em um determinado local, a povoação crescente usou esse ponto como referência e denominou–o como Bagagem.

Em 1853, o mundo deslumbrou-se com um belo achado. Uma escrava de nome Rosa, de propriedade do Senhor Casimiro de Morais, encontra sobre um monte de cascalho, um diamante de rara beleza pesando 254,5 quilates. Esse diamante levou o nome de Estrela do Sul. Lapidado na Europa foi reduzido a 128,8 quilates. Sua fama se deve a propriedade que tem de mudar de cor, do branco ao cor-de-rosa, quando em exposição a luz.
A Cooperativa dos Garimpeiros do Rio Bagagem, localizada em Estrela do Sul, na Praça João Leite Ortiz da Silva, 121 (telefone 34-38431574), produz esmeraldas brutas, diamante bruto e castelita de macassita.

Rio Banabují - Juntamente com outros mais de 20 rios de pequeno curso, o Banabují deságua no Rio Paracatu, o mais caudaloso afluente do Rio São Francisco.
 
Rio Betim - Rio que corta a cidade de Betim, cuja bacia é formada por cinco sub-bacias, sendo interrompida por duas represas. Poluído, o rio está sendo beneficiado por um projeto de revitalização e recuperação ambiental e urbana, que consta de 12 avenidas sanitárias, cinco bacias de detenção, três parques ecológicos, uma estação de tratamento e 64 km de interceptores de esgoto, atráves de recursos do convênio firmado entre prefeitura, Copasa e Banco Mundial.

Rio Bezerra - Rio localizado no Parque Nacional do Caparaó, na cidade de Alto Caparaó-MG, que fica na microrregião de Manhuaçu.

Rio Biboca - Afluente do Rio Paracatu, juntamente com o Rio Banabují e outros mais de 20 rios de pequeno curso.

Rio Boa Sorte - Ribeirão afluente do Rio Santo Antônio. A 200 metros de sua foz, em alguns minutos, torna-se o Rio Santo, e em algumas horas, Rio Doce. Boa sorte, Rio da Boa Sorte!

Rio Buquira - A nascente do Rio Buquira está situada nos contrafortes da Serra da Mantiqueira em Monteiro Lobato (Serra de São Benedito) e à jusante em S. J. dos Campos (Bairro Buquirinha). O Buquira é afluente do Rio Paraíba do sul, em cujo vale ocorre uma intensa industrialização. O Rio Buquira faz parte da grande bacia do Rio Paraíba do Sul - que banha os estados de MG, SP e RJ, desaguando na fronteira dos estados do ES e RJ. A bacia do Rio Buquira está situada a nordeste do estado de S. Paulo.

Rio Cágado - Rio localizado próximo a Ericeira, município de Santana do Deserto, município brasileiro do estado de Minas Gerais. Nesse ambiente presenciamos lindas paisagens. Junto com o Rio Preto e Rio do Peixe, o Rio Cágado é afluente do Rio Paraibuna, localizado na Serra da Mantiqueira.

Rio Camapuã - Está entre os principais afluentes, junto com o Rio Macaúbas, o Rio Betim e o Rio Manso - do Rio Paraopeba, um dos principais afluentes do rio São Francisco.

Rio Campo Grande - Situado numa parcela da sub-bacia do São Gonçalo que drena para a represa de Peti, no rio Santa Bárbara, próximo ao município de São Gonçalo do Rio Abaixo. O Rio Campo Grande soma-se aos córregos que nascem nas vertentes da serra da Coruja: Horto do Dacó, da Baixada e do Riso, a sudeste da represa.

Rio Cana Brava - Afluente do Rio Paracatu, juntamente com o Rio Banabují, Rio Biboca e outros mais de 20 rios de pequeno curso.

Rio Capivarí - nasce na Serra da Chapada das Perdizes, em Carrancas-MG, onde forma dezenas de cachoeiras no Complexo da Zilda. É um rio que deságua no Rio Grande, e que passa pelos municípios de Itumirim e Lavras.

Rio Carandaí - Principal afluente do Rio das Mortes. O Rio Carandaí, localizado na Serra do Poço Danta, desemboca na altura de São João del-Rei. Juntamente com o Córrego do Mineiro, faz parte das bacias do Rio Grande e do Rio Doce.

Rio Carangola - banha MG e RJ, sendo um rio federal, tributário do Rio Muriaé e sub-afluente do Rio Paraíba do Sul. Nasce no município de Orizânia-MG e sua foz está situada em Itaperuna-RJ, possui 130 km de extensão. Os três saltos que o Rio Carangola apresenta no município de Tombos-MG foram um dos pontos definidos em 1843 na fixação do limite entre os territórios de Minas Gerais e do Rio de Janeiro.

Rio Carinhanha - banha os estados de MG e BA. Nasce próximo do Parque Nacional Grande Sertão Veredas (MG), percorre cerca de 450 km até desaguar no São Francisco, do qual é o quinto maior afluente. Ameaçado de se tornar mais um rio com condições mínimas de vida no Brasil. Existe um programa de governo desenvolvido pela prefeitura de Carinhanha para proteger a biodiversidade ambiental no parque localizado na foz do rio.

Rio do Carmo - O rio do Carmo pertence à bacia hidrográfica do rio Doce (alto rio Doce), que se situa na região Sudeste brasileira. A bacia do rio do Carmo apresenta uma área de drenagem de 2.279 km², que equivale a 2,73% da bacia do rio Doce. Localiza-se integralmente no estado de Minas Gerais.

Rio Caatinga - O Rio Caatinga está localizado na bacia do rio São Francisco, na confluência com o Rio Paracatu.

Rio Cedro - Entre os afluentes e subafluentes do Rio Verde Grande, temos o rio Cedro, o córrego dos Mangues, córrego Pai João e o córrego Vargem Grande, dentre outros.
 
Rio Cipó - um dos afluentes do Rio das Velhas, que por sua vez compõe a Bacia do Rio São Francisco, um dos maiores do país, mas que vem sofrendo com a poluição ao longo de seu curso. O nome lhe foi atribuído por seu traçado sinuoso. São dezenas de belíssimas cachoeiras, de acesso relativamente fácil, com impressionantes quedas d’água, corredeiras, piscinas naturais, rodeadas por escarpas, mantêm o seu volume de água constante durante quase todo o ano. No geossistema semimontanhoso da bacia interplanáltica do médio rio Cipó as vertentes são dessecadas por escoamento concentrado. No PARNA Serra do Cipó a divisão de águas ocorre entre as bacias dos rios São Francisco e Doce. O escoamento das águas superficiais é abundante, originando as cabeceiras dos principais formadores do Cipó, que corre para a bacia do São Francisco. O Rio Cipó é o mais expressivo da área da Serra do Cipó. O clima na região do rio é muito agradável, com verões frescos e estação seca bem definida.

Rio Doce - drena o Espírito Santo e MG, é a mais importante bacia hidrográfica totalmente incluída na Região Sudeste.Teve importância decisiva na conquista do ES e de MG pelos europeus. Pelo seu vale, no século 18 penetraram sertanistas e exploradores como Sebastião Fernandes Tourinho, Antônio Dias de Oliveira e Borba Gato. No século XIX foi a vez de pesquisadores como o príncipe renano Maximilian von Wied-Neuwied e Frederico Sellow, botânico que morreu afogado em suas águas. Estes pesquisadores chegaram a manter contatos pacíficos com o chamados índios botocudos, deixando um vasto conhecimento sobre esses grupos nativos. No século XX o Vale do Rio Doce serviu de caminho para a Estrada de Ferro Vitória-Minas (EFVM ) que impulsionou o crescimento de diversas localidades.

O principal formador do Rio Doce é o Rio Piranga, que nasce na Serra da Mantiqueira, no município de Ressaquinha-MG. No município de Santa Cruz do Escalvado recebe as águas do Rio do Carmo e passa a se chamar Rio Doce. Com um percurso total de 853 km, o Doce tem sua foz no Oceano Atlântico em Vila de Regência, pertencente ao município de Linhares-ES. Sua bacia hidrográfica pertence à região hidrográfica do Atlântico Sudeste, com cerca de 83.400 km de extensão territorial (86% MG e o restante Espírito Santo).

Rio Dourados - A bacia hidrográfica do Rio Dourados situa-se nas mesorregiões do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. Abrange 18 municípios e uma área de drenagem de 22.291 km². O clima é semiúmido, com período seco entre quatro e cinco meses por ano, situando-se a disponibilidade hídrica entre 10 e 20 litros por segundo por km². Em 2005, o índice de qualidade das águas na bacia predominou no nível médio, tendência verificada ao longo dos anos de monitoramento. O Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Dourados já está aprovado.

O município de Abadia dos Dourados nasceu junto ao movimento de garimpeiros que ali chegaram por volta do século XIX com as notícias de jazidas de diamantes às margens do rio Dourado e da fertilidade das terras. Juntamente, vieram lavradores e outros que se fixaram no local. O garimpo e agricultura impulsionaram o desenvolvimento do povoado. O Arraial do Garimpo, após a construção da capela de Nossa Senhora da Abadia e a proximidade do rio Dourados, provocaram a mudança do nome para Abadia dos Dourados.

Rio Escuro Grande - O município de Vazante é rico em águas. Possui muitos rios, ribeirões e córregos. Um deles é o Escuro Grande, que corre ao nordeste rumo leste do município e tem como principais afluentes, à margem direita, os córregos das Lajes, da Biboca, Palmital e Ouro Podre. É também conhecido como Carrapato.

Rio Formoso - O Rio do Formoso tem suas nascentes localizadas no Chapadão dos Gerais e na Serra do Morro Vermelho, a uma altitude de aproximadamente 950 metros, numa superfície tabular - constituída pela Formação Chapadão com sedimentos arenosos que capeiam esta superfície no município de Buritizeiro. Seu fluxo escoa inicialmente na direção nordeste até a confluência com o córrego das Areias situado numa faixa com cota altimétrica de 850 m (superfície intermediária) constituída por arenitos da Formação Areado do Cretáceo/Inferior e Grupo Bambuí do Neoproterozóico da Formação Três Marias – quando faz uma inflexão em direção leste até a foz no rio São Francisco a uma altitude de 540 m, correspondendo à depressão Sanfranciscana com residuais do São Francisco – constituído por depósitos aluvionares e de terraço do Cenozóico, percorrendo aproximadamente 90 km. Seus principais afluentes ocorrem pela margem esquerda: Córrego das Veredas do Morro Vermelho, Paulo Geraldo e Areias, sendo que, praticamente todas as cabeceiras de drenagem encontram-se localizadas nas bordas de escarpas do Chapadão dos Gerais, constituindo-se de veredas.

Rio Fubá - Por volta de 1840, às margens do pequeno rio Fubá - afluente do Muriaé, aportaram os primeiros colonos e desbravadores da região atraídos pela fertilidade do solo, encontrando terra e água boa. A cidade de Miraí, terra de Ataulfo Alves e de muitas tradições, fica na região da Zona da Mata mineira, que possui acessos à rodovia Rio-Bahia. O primeiro núcleo populacional foi organizado nas margens do Rio Muriaé. O nome Miraí significa "terra molhada".
 
Rio Gameleira - Rio que banha o município de Gameleiras, localizado no norte de Minas, com relevo entre 400 a 800 metros de altitude do nível do mar. No município está localizada a barragem de Gameleiras.

Rio Glória - Subafluente do rio Paraíba do Sul. Nasce no município de Fervedouro e, após 101 km de percurso, deságua no Rio Muriaé no município de Muriaé. No Rio Gloria fica a Represa do Rio Glória e mais a 5 km abaixo a Represa do grupo Cat-Leo. Segundo maior alfuente do Rio Muriaé, o Rio Glória é formado por dois braços: o chamado Rio Glória especificamente e o Ribeirão São Jorje, em Fervedouro. Tem como afluente o pequeno Rio Preto, que nasce na Serra da Grama hoje conhecida como Parque Estadual Serra do Brigadeiro.

Rio Gorutuba - Nasce no município de Francisco Sá e percorre o município de Janaúba, banhando a cidade no sentido sul-norte. Faz divisa com os municípios de Riacho dos Machados, Porteirinha e Nova Porteirinha à leste. É o principal rio do município, de onde gira toda a vida histórica, econômica e social do município. Foi represado para construção da Barragem Bico da Pedra, localizada a 6 km da Sede, com volume de 750.000.000 m³ de água que serve para exploração e irrigação de áreas do Projeto Gorutuba com aproximadamente 5.500 hectares, abastecimento de água para a cidade, lazer, irrigação e para lavadeiras, que o utilizam como fonte de sustento.

Rio Grande - nasce em MG e banha o estado de SP. Sua nascente localiza-se na Serra da Mantiqueira em Bocaina de Minas e percorre 1.360 km até encontrar o Rio Paranaíba, formando o Rio Paraná. A partir do município de Claraval, o rio forma a divisa natural do estado de Minas Gerais com São Paulo.

Principais afluentes: Rio Aiuruoca, que nasce em Itamonte; Rio Lourenço Velho, que nasce em Virginia próximo do bairro Morangal; Rio das Mortes, nasce entre Barbacena e Senhora dos Remédios; Rio Jacaré, nasce na Serra do Galba em São Tiago; Rio Sapucaí, nascente na Serra da Mantiqueira (MG); Rio Pardo, nasce em Ipuiúna; e Rio Turvo, que nasce em Monte Alto-SP.

Rio Itabapoana - banha os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. As cabeceiras do Rio Itabapoana localizam-se na Serra do Caparaó. É formado pelo encontro do Rio Preto com o Rio São João, na divisa dos estados de Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro. A partir daí, se estende por aproximadamente 250 km, servindo de limite entre o Espírito Santo e o Rio de Janeiro até desaguar no oceano Atlântico, próximo à cidade de São Francisco de Itabapoana. Sua bacia está inserida na região hidrográfica do Atlântico Sudeste. O Rio Itabapoana apresenta 5 hidrelétricas, inúmeras cachoeiras e planícies em seu percurso.

Rio Itapecerica - O Itapecerica é um rio mineiro que nasce no Morro do Calado, município de Itapecerica. O primeiro nome que recebe é de Rio Vermelho e na junção entre os rios Gama e Santo Antônio, passa a ser conhecido por Rio Itapecerica. Suas águas banham 3 municípios. Ao passar por Divinópolis corre por 29 km. Nesta cidade seus principais afluentes são: Ribeirão Boa Vista, Córrego Buriti, Córrego do Paiol, Córrego do Nenêm, Córrego Catalão. Após deslizar por parte do Oeste de Minas, o Itapecerica deságua no Rio Pará.

Rio Jacaré - A bacia hidrográfica do Rio Jacaré está inserida na mesorregião do Campo das Vertentes, onde estão municípios como São João Del-Rei, Barbacena, Oliveira e Campo Belo. Somada à bacia dos Rio das Mortes, apresenta uma área de drenagem de 10.547 km² e abrange 30 sedes municipais, com uma população estimada de 522.135 habitantes. Seu clima é semi-úmido, com quatro a cinco meses secos por ano. O Índice de Qualidade das Águas é considerado bom no Jacaré e médio no rio das Mortes. O Comitê de Bacia Hidrográfica dos Rios das Mortes e Jacaré encontra-se em processo de formação.

Rio Jaguari - As nascentes do rio Jaguari estão localizadas no estado de Minas Gerais, nos municípios de Sapucaí-Mirim, Camanducaia e Itapeva. Em Jaguariúna, São Paulo, o rio Jaguari recebe um afluente importante, o rio Camanducaia. Ao juntar-se com o Rio Atibaia, o Jaguari forma o Rio Piracicaba, no município de Americana, São Paulo, seguindo até o município de Barra Bonita, São Paulo, onde ocorre sua foz junto ao Rio Tietê.
Ao entrar em território paulista, o Jaguari é represado, sendo este um dos reservatórios integrantes do sistema produtor de água chamado Cantareira, construído para permitir a reversão de água da bacia do Piracicaba para a bacia do Alto Tietê, como reforço ao abastecimento público da Região Metropolitana de São Paulo. Por atravessar dois Estados, o Jaguari é considerado um rio federal, e sua bacia sua abrange quatro municípios mineiros e quinze paulistas.

Rio Jequitinhonha - banha os estados de Minas Gerais e da Bahia, nasce na região da cidade de Serro, atravessa o nordeste de MG e deságua no Oceano Atlântico, em Belmonte-BA. Percorre uma das regiões mais pobres do Brasil e do mundo, denominada Vale do Jequitinhonha. O vale, apesar de ser uma das regiões mais pobres do Brasil, abriga uma cultura peculiar, que se releva nas manifestações populares únicas, ligadas aos mitos da natureza, à navegação e às lenda; e se manifestam no rico artesanato de barro, nas expressões musicais e folclóricas. O nome do Rio Jequitinhonha se originou do nome da cidade e o termo, na linguagem indígena, quer dizer: no Jequi tem onha [carece de fontes?] (ou seja, no Jequi tem peixe, usados pelos índios botocudos, que habitaram a região, na confluência com o Rio São Miguel. No período colonial o rio era conhecido como Rio das Virgens.

Foram construídas no Rio Jequitinhonha duas grandes barragens, a Barragem de Itapebí, no Sul da Bahia; e a Barragem de Irapé, localizada no município de Leliveldia/MG, com 205m de altura, considerada a barragem mais alta do Brasil, e que vai alavancar o progresso do vale.

Rio Jordão - afluente do Rio Paranaíba, localizado ao norte do município de Araguari, cerca de 20 km da cidade.

Rio Juramento - Localizado na Bacia do Rio São Francisco, o Rio Juramento, juntamente com os rios Verde Grande e Saracura, banham o município de Juramento, ao norte de Minas, cujo nome teve origem no "juramento de fidelidade" feito pelos integrantes da bandeira de Fernão Dias Paes Leme às margens de um riacho que banha a cidade. O juramento aconteceu apos a insurreição de José Dias, filho de Fernão Dias. O insurreto foi julgado e condenado à forca pelo próprio pai.

Rio Lourenço Velho -  Rio que atravessa o distrito com o memso nome de Lourenço Velho. Córregos e ribeirões afluentes do Lourenço Velho na área do distrito são: Córrego Grande e do Varjão, no bairro Rio Manso, Rio Branco, que divisa os distritos de Lourenço Velho e Barra, Córrego Peroba, nos bairros Peroba e Cachoeirinha, Córrego Sabará (que divisa o distrito com Maria da Fé), nos bairros Goiabal, Peões e Sabará. No bairro da Usina funciona a Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Luiz Dias. Esta foi instalada em 1914 e ainda gera energia, sendo mantida pela CEMIG. Até 2009, a Universidade Federal de Itajubá manteve no local um Parque voltado á Educação Ambiental, mas o convênio desta com a CEMIG foi encerrado e o Parque não está mais sendo utilizado. Há um projeto para construção de outra PCH no Rio Lourenço Velho na Cachoeira dos Pilões.

Rio Macaúbas - Rio que deságua no Rio Jequitinhonha. Junto com o rio Macaúbas, o rio Betim, o rio Camapuã e o rio Manso são  afluentes do Rio Paraopeba.

Rio Manso - De águas mansas e tranqüilas o Rio Manso oferece vastas áreas planas ideais para a agricultura e pecuária. Banha a cidade que tem seu nome, localizada na Região Metropolitana de Belo Horizonte e cuja origem, relacionada à ocupação inicial de Minas Gerais, ocorreu no século XVII e início do século XVIII, no Vale do Rio Paraopeba.

Rio das Mortes - banha o estado de Minas Gerais. Seu principal afluente é o Rio Carandaí que desemboca na altura de São João del-Rei. O Rio das Mortes é afluente do Rio Grande.

Rio Mucuri - banha os estados brasileiros de Minas Gerais e da Bahia. Com 446 km de comprimento, o rio nasce no nordeste mineiro e deságua no sul baiano. Ele é o principal curso d'água da bacia hidrográfica homônima. A bacia do Murcuri faz parte da bacia agrupada do Atlântico Leste, estende-se por 17 municípios e limita-se com as bacias dos rios Jequitinhonha, Peruíbe, Itanhém, São Mateus e Doce. A colonização do Vale do Mucuri foi iniciada somente em 1859 para a exploração de madeira. Atualmente, essa atividade econômica foi parcialmente substituída pela pecuária e pela agricultura de subsistência.

Rio Muriaé - banha os estados de MG e RJ. Nasce no município de Miraí, na Zona da Mata Mineira, e deságua no rio Paraíba do Sul na altura do município de Campos dos Goytacazes-RJ. Tem como principais afluentes os rios Glória e Carangola, sendo o Carangola o maior entre os dois. As maiores cidades localizadas às suas margens são Muriaé-MG e Itaperuna-RJ. Considerando toda a bacia do Rio Muriaé, são três as maiores cidades, Carangola e Muriaé, e Itaperuna.

O processo de desmatamento desencadeado na Zona da Mata para o cultivo do café desde o século XIX foi implacável na bacia do rio Muriaé, afetando inclusive suas cabeceiras. Em 2006, um vazamento da lama resultante do tratamento da bauxita ocorreu em Miraí chegou ao Rio Muriaé através de seu afluente Rio Fubá, gerando impactos inclusive no Rio Paraíba do Sul.

Rio Novo ou Piau - Rio brasileiro que banha o estado de Minas Gerais. Nasce na Serra da Mantiqueira no município de Antônio Carlos com o nome de Rio do Pinho, banha o município de Santos Dumont e, após um percurso de 169 km de extensão, deságua no rio Pomba, no município de Cataguases. Próximo à sua foz, suas águas são aproveitadas para geração de energia pela usina hidrelétrica Nova Maurício, localizada entre os municípios de Leopoldina e Itamarati de Minas.

Rio Paranaíba - Um dos formadores do rio Paraná, nasce em MG, no município de Rio Paranaíba e, após percorrer 1.170 km, junta-se com o Rio Grande, formando então o majestoso Rio Paraná. Entretanto, das nascentes formadoras do Rio Paranaíba, a mais distante é a do seu afluente Rio São Bartolomeu, que nasce nas proximidades de Brasília. A partir dos municípios de Coromandel e Guarda-Mor, o Paranaíba forma a divisa natural de MG com GO e, já próximo de sua foz, de MG com Mato Grosso do Sul.

Seus principais afluentes são: Margem direita (GO): rios São Marcos (MG-GO), Corumbá, Meia-Ponte, Rio dos Bois, Rio Claro, Rio Verde, Corrente e Aporé (GO-MS). Margem esquerda (MG): Bagagem, Dourados, Araguari e Tejuco. O Rio Paranaíba é conhecido principalmente pela sua riqueza diamantífera e pelo grande potencial hidrelétrico que apresenta.

Rio Pará - Nasce na Serra das Vertentes, próximo ao povoado de Hidelbrando, no município de Resende Costa. A bacia do rio Pará é uma das mais importantes da bacia do Rio São Francisco, de regime tropical austral, abrangendo 38 municípios, com uma área de 234.347 km². A principal cidade da região é Divinópolis, com mais de 200 mil habitantes, seguida de Itaúna e Pará de Minas.

Rio Paracatu - O Rio Paracatu é o maior do município e possui uns 300 quilômetros navegáveis aproximadamente, desde a sua foz até o extinto Porto Buriti. A palavra sonora “Paracatu” vem do tupi-guarani e quer dizer “rio bom”. Ele é o mais caudaloso afluente do Rio São Francisco e tem por cabeceiras duas veredas na Serra de São Braz: Cana Brava e Riacho do Cavalo, à direita, recebe os rios Banabují, Taboca, Tamanduá, Prata, Verde, Troncos, Catinga, Campo Grande, Soninho, Sono Grande e Gameleira; e à esquerda, os rios Biboca, Santa Catarina, Escuro Grande, Santa Izabel, Córrego Rico, Boa Sorte, Bezerra, São Pedro, Rio Preto (o maior de seus afluentes), Santa Teraza, Santa Fé, Santo Antônio, Cana Brava e outros de pequeno curso.

Pequenas corredeiras e cachoeiras não impedem o trânsito de barcos e canoas até onde era o Porto Buriti - corredeira de Pais Mateus, do Pateiro, da Bizerra, da Taitaba, de Pedra Mole, da ilha dos Angicos de São José (50 m de comprimento), do Tronco, da Cifra (100 m de extensão), do Buritizinho, das Três Irmãs e do Campo Grande. Também as cachoeiras de Inhaúma, do Gama, do Sabãozinho (formada de pedras lisas que não firmam as varas dos remeiros), dos Paus, da “Pedra de Amolar”, a “Cachoeira Grande”, a cachoeira Rasa e a Cachoeira do Garrote, as mais importantes quedas do Rio Paracatu. Cachoeira do Cosme, da Escaramuça e do Cavalo, as corredeiras do Frio, do Curralinho, e do Bufetão, a 5 léguas da foz do Rio Paracatu, no rio São Francisco.

Às margens do Rio Paracatu, no Clube dos Onze, o cineasta brasileiro Nelson Pereira dos Santos deu início ao renascimento de um novo ciclo do cinema brasileiro ao transpor a obra de João Guimarães Rosa para as telas. O conto homônimo “A Terceira Margem do Rio” se transformou em um filme. Vários atores paracatuenses participaram dessa obra meio surreal do clássico diretor. (Fonte: Secretaria da Indústria, Comércio e Turismo de Paracatu)

Rio Paraíba do Sul - banha os estados de MG, SP e RJ e nasce na confluência dos rios Paraitinga e Paraibuna, no município de Paraibuna-SP, percorre pequeno trecho do sudeste de MG e faz divisa natural com o estado do RJ, que atravessa até alcançar foz no Oceano Atlântico próximo a São João da Barra-RJ. Percurso total: 1.120 km, sentido oeste/leste.

Principais afluentes: Jaguari, Buquira, Paraibuna, Piabanha, Pomba e o Rio Muriaé. Os dois últimos são os maiores e deságuam, respectivamente, a 140 e a 50 quilômetros da foz. Sub-afluentes: Rio Carangola, importante na bacia do Rio Paraíba do Sul, pois serve os estados de MG e RJ. Foi neste rio que encontraram a estátua de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, em meados de 1717.

Rio Paraibuna - banha os estados de Minas e RJ. Nasce no município de Antônio Carlos-MG. Principais afluentes: rios do Peixe, Cágado e Preto, antes de desaguar no rio Paraíba do Sul próximo a Três Rios-RJ. Banha o município de Juiz de Fora, importante polo industrial de MG. Estradas abertas ao longo do vale do Paraibuna historicamente marcaram o povoamento e o desenvolvimento de MG e da Zona da Mata Mineira, como o Caminho Novo das Minas em 1707, a Estrada União e Indústria em 1856 e também a Estrada de Ferro Central do Brasil.

Rio Paraná ('parecido com o mar', do tupi para (mar) e na (se parece com) - rio sul-americano com extensão total de 3.998 km, nasce entre os estados de SP, MG e MS, na confluência dos rios Grande e Paranaíba. O Rio Paraná corre aproximadamente no eixo central da Bacia do Paraná, ampla bacia sedimentar. Banha também o estado do Paraná, adquirindo uma que lhe renderia o posto de o nono rio mais extenso do mundo, caso fosse contado o trecho do rio Paranaíba. Demarca a fronteira entre Brasil e Paraguai numa extensão de 190 km até à foz do Rio Iguaçu. A partir de Foz do Iguaçu, o rio muda para direção oeste e passa a ser o limite natural entre Argentina e Paraguai. Na confluência do rio Paraguai o rio entra inteiramente em terras argentinas e passa a percorrer a direção sul, desaguando no delta do Paraná e no Rio da Prata.

Sua vazão na foz (16 mil m³/s) é comparável à do Mississippi (18km³/s) e do Ganges (16 km³/s). A floresta tropical e subtropical que antes ocupava boa parte da bacia do Paraná encontra-se largamente extinta; a área mais preservada encontra-se na província argentina de Misiones.

No trecho brasileiro há a barragem de Jupiá, localizada a 21 km da confluência com o rio Tietê, e a barragem de Ilha Solteira. Na fronteira Brasil/Paraguai está a usina-barragem de Itaipu, e na fronteira Argentina/Paraguai, a Yacyretá. As duas hidroelétricas fornecem 99% da eletricidade do Paraguai (90% só de Itaipú), e fazem do país o maior exportador de eletricidade do mundo.

Rio Paraopeba - Do tupi pará (rio grande, mar) e peba (aquilo que é plano, chato), significando mar plano, banha Minas Gerais. Sua nascente é localizada ao sul no município de Cristiano Otoni-MG; com foz na represa de Três Marias, em Felixlândia-MG. Extensão: 546,5 km, a bacia cobre 12.090 km² e 35 municípios. Principais afluentes: rios Macaúbas, Betim, Camapuã e Rio Manso. É um dos principais afluentes do São Francisco.

Rio Pardo -
Rio das Pedras -
Rio do Peixe -
Rio Piabanha -

Rio Piracicaba - O maior afluente em volume de água do rio Tietê é também um dos mais importantes rios paulistas, responsável pelo abastecimento da Região Metropolitana de Campinas e parte da Grande São Paulo. Sua bacia estende-se por 12.531 km², situada no sudeste do Estado de SP e extremo sul de MG.

O Rio Piracicaba nasce da junção dos rios Atibaia e Jaguari, no município de Americana. Após atravessar a cidade de Piracicaba, recebe as águas de seu principal afluente, o Rio Corumbataí. O Piracicaba percorre 250 km de sua formação até a sua foz no Tietê entre os municípios de Santa Maria da Serra e Barra Bonita.
Possui diversos meandros, que transformam o leito em sinuoso porém tranquilo, apto para a navegação de embarcações de menor porte após a cidade de Piracicaba. Seus meandros são a origem do nome do rio, que em tupi significa "lugar aonde o peixe pára".

Rio Piranga -

Rio Pirapetinga - banha os estados de MG e RJ. Nasce no município de Leopoldina-MG, e desagua no Rio Paraíba do Sul na divisa dos municípios de Pirapetinga e Santo Antônio de Pádua. A partir do ponto em que recebe seu afluente Córrego do Peitudo, o Pirapetinga serve de divisa entre os estados de MG e RJ até desaguar no Paraíba do Sul.

Rio Pomba (ou Pombas) - banha MG e RJ e é um dos principais afluentes da margem esquerda do Rio Paraíba do Sul. Também dá nome à cidade de Rio Pomba, onde é proibida a extração de areia por decreto aprovado pela câmara municipal. Nasce no município de Barbacena-MG, atravessa a Zona da Mata Mineira e deságua no Paraíba do Sul entre os municípios de Cambuci e Itaocara-RJ. Principais afluentes: rios Novo ou Piau, Xopotó e Formoso. As maiores cidades localizadas às suas margens são Cataguases-MG e Santo Antônio de Pádua-RJ.

Rio da Prata - principal afluente do Rio Tijuco, na bacia do Paranaíba, MG. Tem sua nascente formada pelos Rios do Peixe e Piracanjuba, no município de Prata, e deságua no Tejuco próximo à sua foz com a represa de São Simão (Rio Paranaíba). Percorre seis municípios do Triângulo Mineiro: Prata, Campina Verde, Ituiutaba, Gurinhatã, Santa Vitória e Ipiaçu.

Rio Preto -
Rio Quem-Quem -
Rio Santa Catarina -
Rio Santa Izabel -
Rio Santo Antônio -

Rio Santa Fé -
Rio Santa Tereza -
Rio São João -
Rio São Marcos -
Rio São Miguel -
Rio São Pedro -

Rio Sapucaí - Seu nome deriva das sapucaias - árvores que crescem em suas matas. Nasce próximo a Campos do Jordão e São Bento do Sapucaí-SP e deságua no Rio Grande, no município de São José da Barra, próximo à hidrelétrica de Furnas.

Atravessa Campos do Jordão, São Bento do Sapucaí, Paraisópolis, Conceição dos Ouros, Cachoeira de Minas, Itajubá, Santa Rita do Sapucaí, Pouso Alegre, São Gonçalo do Sapucaí, Careaçu, Cordislândia, Paraguaçu e Três Pontas, onde ele se encontra com o Rio Verde, no povoado de Pontalete, e daí começa o tronco sul da represa de Furnas. Desse trecho até desaguar no Rio Grande o Sapucaí está inundado pelo represamento ocorrido em 1963 para formar o reservatório de Furnas.

A ponte sobre o rio Sapucaí em Itajubá-MG foi importante historicamente na época das bandeiras, as quais, saindo do Vale do Paraíba, adentravam o interior de MG seguindo o curso do Sapucaí, em busca de ouro e outros metais preciosos. Contribuiu para a formação de muitas cidades e a ocupação do Sul e do Sudoeste mineiro. Há em suas águas diversas espécies de peixes de importância para a pesca de subsistência e esportiva, como o dourado, a tabarana, o curimbatá, a piaba, o piau-três-pintas, o pintado, o jaú e outros. Muitas correm perigo de extinção devido à pesca predatória, à poluição e às dificuldades de procriação no período da piracema pelo represamento do rio e de ribeirões e a dragagem das lagoas marginais, bem como a destruição das nascentes fluviais, locais onde os peixes se procriam.

Rio Soninho -

Rio Sono Grande -
Rio Taboca -
Rio Tamanduá -


Rio Tijuco (ou Tejuco) - deságua no Rio Paranaíba, sendo o seu segundo maior afluente em sua margem esquerda. Nasce em Uberaba e percorre nos seus 250 km oito municípios do Triângulo Mineiro: Uberaba, Uberlândia, Prata, Monte Alegre, Canápolis, Ituiutaba, Santa Vitória e Ipiaçu. Sua foz está em um dos braços da represa de São Simão, no Rio Paranaíba. Seu principal afluente é o Rio da Prata.

Rio Troncos -

Rio Turvo -

Rio Uberaba - Está localizado no Triângulo Mineiro e pertence a sub-bacia do Rio Grande e bacia do Paraná. O Rio Uberaba nasce no chapadão do Lindolfo, a cerca de 1.000 metros de altitude em uma espécie de turfa constituída por capim e um solo escuro, a água de sua nascente é originária das chuvas. O Uberaba deságua no Rio Grande. Em sua passagem pela cidade de Uberaba ele margeia a cidade ao norte e oeste. Dentro do município de Uberaba estão catalogados 61 tributários do rio, sendo 33 afluentes na margem esquerda e 28 na margem direita. É deste rio que se retira a água que abastece toda a população uberabense, também nele eram despejados in-natura todo o esgoto industrial e doméstico de cerca de 300 mil pessoas. A prefeitura de Uberaba vem trabalhando no projeto Água Viva, que trata o esgoto da cidade antes de jogá-lo no rio e vem trabalhando com a ETE Uberaba (Estação de tratamento de esgoto) que trata quase 97% do esgoto antes de despejá-lo no rio.

Rio Uberabinha - nasce no município de Uberaba atravessa o município de Uberlândia e Tupaciguara e vai até o Rio Araguari numa extensão de 118 km, seus afluentes são: na zona rural, córrego do Jacaré, córrego do Caroço, córrego do Roncador, córrego do Abril, Ribeirão Beija-flor e Bom Jardim, Rio das Pedras; na área urbana, Córrego Cajubá, São Pedro, córregos das Tabocas, do Óleo, Jataí, Lagoinha, do Salto, Guariba, do Lobo, Moji, do Cavalo, do Vinhedo e córrego Butizinho. A área urbana de Uberlândia é abastecida por dois sistemas de captação de água: o da cachoeira da Sucupira e Bom Jardim. O Rio Uberabinha nasce na porção norte do município de Uberaba, a quase 1.000 m de altitude, atravessa o município de Uberlândia e área urbana no sentido SE-NO, e deságua no Rio Araguari, tendo sua foz em 550 m de altitude, fazendo a divisa entre os municípios de Uberlândia e Tupaciguara.

A Bacia do Uberabinha é uma área de intensa ocupação antrópica. No médio curso encontra-se a cidade de Uberlândia com mais de 600.000 habitantes (IBGE. 2006) e os distritos de Martinésia, localizados no baixo Uberabinha e Cruzeiro dos Peixotos, no divisor das bacias do Rio Araguari.

Rio Urucuia - afluente da margem esquerda do Rio São Francisco, banha o estado de MG. Durante seu percurso pode-se encontrar o "escorregador", uma rocha no leito do rio que permite escorregar, como se um escorregador (tobogã) natural. Essa atração localiza-se a cerca de 15 km do Distrito Bezerra, seguindo pela estrada que leva ao Rio Urucuia. A Agência de Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Vale do Rio Urucuia tem como principais objetivos desenvolver a cooperação intermunicipal e articular parcerias para subjetivação e execução de um projeto de desenvolvimento humano, social e sustentável dos povos da microrregião Urucuia Grande Sertão, no vale do Urucuia, com foco no combate à pobreza e desigualdade social, pilares de sustentação para viabilizar a localização da microrregião Urucuia Grande Sertão.

Rio das Velhas - É o maior afluente em extensão da bacia do Rio São Francisco. Suas nascentes estão localizadas na cachoeira das Andorinhas, município de Ouro Preto. Deságua no Rio São Francisco, na localidade de Barra do Guaicuí, município de Várzea da Palma.

Rio Verde -


Rio Verde Grande - banha MG e a Bahia. Nasce no município de Bocaiúva-MG e sua foz fica em Malhada-BA. A bacia é formada por 35 municípios, sendo 27 mineiros e oito bahianos. Só 12 municípios mineiros estão inteiramente incluídos na Bacia e nenhum dos municípios baianos possui sua área integralmente inserida na região. A região integra a Bacia do São Francisco, pela margem direita, sendo o Verde Grande o seu principal curso de água, e os rios Gorutuba, Verde Pequeno, Juramento e Quem-Quem alguns de seus tributários mais significativos pela margem direita. Pela margem esquerda, o Ribeirão do Ouro, o Córrego Macaúbas e o Rio Arapoim e o Córrego Vieira, são seus principais afluentes. O Vieira é uma importante microbacia hidrográfica, que faz parte da bacia do rio Verde Grande. O córrego Vieira nasce à 8km da cidade de Montes Claros, norte de MG. Seu precurso é de aproximadamente de 75 km, ele possui vários afluentes e subafluentes, entre eles o Rio Cedro, o córrego dos Mangues, córrego Pai João e o córrego Vargem Grande dentre outros. O córrego corta a cidade de Montes Claros e nela recebe uma grande carga de efluentes por isso podemos afirmar que a qualidade da água do Vieira se encontra comprometida. Essa carga provém tanto dos domicílios como das indústrias.

Rio Verde Pequeno -
Rio Vermelho -
Rio das Virgens -
Rio Xopotó -

 (Fonte: Wikipédia)

5 comentários:

Serrano Neves disse...

Os formadores do Rio Paracatu estão sendo poluídos por arsênio (veneno mortal). Veja em:
http://alertaparacatu.globspot.com

Ricardo Wagner Ribeiro disse...

É uma pena que os seres humanos continuem com toda essa ganância, apesar de estarem assistindo o troco que a Mãe natureza está devolvendo por todos os maus tratos ao planeta. E o poder público, e o Ibama, onde estão que fingim não ver nada?

Anônimo disse...

Olá Ricardo,

Vc precisa referenciar seu site.

Paloma disse...

olá... vi que vc eh jornalista, e jornalista conhece bastante coisas... olha achei muito legal seu blog, estou fazendo um trabalho sobre o rio piracicaba de minas gerais e aí no seu bolg fala do de são paulo... se vc puder me ajudar ... preciso de saber o fluxo inicial desse rio, já futiquei a net toda e nn acho ... email : forever9680@live.com obg !

Sebastião Joi disse...

Olá, moro em Aperibé RJ, minha cidade é banhada pelo Pomba, estou pesquisando sobre o rio, preciso saber onde exatamente nasce. Desde já agradeço por qualquer ajuda. sjoicardoso@yahoo.com.br